13/08/2018

Você já falou com o seu ministro hoje?

Bola de neve

Na semana passada, os ministros do Supremo Tribunal Federal votaram, em plenário, a concessão de um aumento de 16,38% no salário dos… ministros do Supremo Tribunal Federal. Decidiram que sim, por sete votos a quatro (os únicos a se oporem foram a presidente Cármen Lúcia e os ministros Celso de Mello, Rosa Weber e Edson Fachin). Agora o aumento tem que ser aprovado no Congresso – o que só deve ocorrer após as eleições, para que os parlamentares evitem mais um desgaste com o eleitorado (há um risco de que eles aproveitem a deixa para votar um reajuste para a própria classe). Hoje um ministro do STF ganha R$ 33,7 mil por mês. Passará a ganhar R$ 39,3 mil – valor que pode gerar um impacto anual de R$ 4 bilhões no orçamento da União, já que o salário do STF serve de teto para o que ganha todo e qualquer funcionário público.

Quer se engajar?
Assine essa petição contra o aumento salarial

Quer se engajar um pouco mais?
Você pode dar um oi para cada um dos sete ministros que aprovaram o aumento camarada

Ricardo Lewandowski
gabinete.mrl@stf.jus.br

Marco Aurélio Mello
audienciagabmmam@stf.jus.br

Luís Roberto Barroso
audienciamlrb@stf.jus.br

Gilmar Mendes
audienciasgilmarmendes@stf.jus.br

Luiz Fux
gabineteluizfux@stf.jus.br

Alexandre de Moraes
gabmoraes@stf.jus.br

Dias Toffoli
gabmtoffoli@stf.jus.br

La mala educación

A Comissão de Educação da Câmara convocou para amanhã, às 10h, uma audiência para discutir os impactos da PEC do teto de gastos na educação pública. No início do mês, a Capes enviou uma carta ao Ministério da Educação informando que o orçamento minguado, previsto para o próximo ano, vai obrigar a agência a suspender mais de 93 mil bolsas de pesquisa em agosto de 2019. O CNPQ também afirmou que o corte de R$ 400 milhões no orçamento pode impactar 70% das pesquisas em andamento. A audiência contará com a presença dos ministros Eduardo Guardia (Fazenda), Esteves Colgano (Planejamento) e Rossieli Soares da Silva (Educação).

Quer saber mais?
Entenda como a emenda do teto dos gastos pode afetar sua vida

Quer participar?
Você pode acompanhar a audiência pelo portal e-democracia

Cotidiano

Todo dia eles faziam tudo sempre igual (eram operadores de torno mecânico). Mas a funcionária recebia R$ 8,29 por hora, enquanto os homens da empresa ganhavam cerca de R$ 15 a mais pelo mesmo trabalho. Após ser demitida, em 2015, a funcionária acionou a Justiça. Ganhou R$ 50 mil, na semana passada, a título de danos morais. Ainda cabe recurso, mas o juiz responsável pela causa já solicitou ao Ministério Público do Trabalho que investigue a prática da discriminação sexual salarial na empresa.

Quer saber mais?
Pesquisa do site de emprego Catho mostrou que mulheres ganham menos que os homens em todos os cargos e áreas

MemeNews é financiado pela Open Society Foundations, por meio de um projeto que pretende unir humor e mudanças sociais. Funcionou entre março e agosto de 2018. Voltará em novembro.