22/08/2018

Patente baixa, bigode fino

Me chame pela sua patente

Capitão Augusto. Dr. Jorge Silva. Professor Victório Galli. Subtenente Gonzaga. Pastor Eurico. Major Olímpio. Delegado Waldir. E, claro, Cabo Daciolo. Estes foram alguns dos deputados eleitos em 2014 que utilizaram expressões militares, religiosas, acadêmicas ou profissionais em seus nomes políticos. O problema? Isso acaba por resultar em votos pautados mais pelo personalismo do que pelas ideias defendidas pelos candidatos. Por isso que os deputados federais Jean Wyllys (RJ) e Luiza Erundina (SP), do Psol, apresentaram um projeto de lei, dois anos atrás, que visa proibir tais patentes ou rótulos (a Lei das Eleições proíbe apenas que o nome do candidato não seja ridículo, irreverente ou que atente contra o pudor – o que, convenhamos, não tem funcionado). O projeto está em análise na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara.

Quer opinar sobre essa proposta?
Vote no site da Câmara

Quer falar com o relator?
Escreva para o deputado Chico Alencar

Reflexos da reforma

A história foi noticiada ontem pelo The Intercept Brasil. Os funcionários da rede de supermercados Mundial recebem 40% do salário no início do mês e o restante no fim, quando se somam as horas extras. Só que a reforma trabalhista de Michel Temer deu, aos supermercados, o status de “atividade essencial” – permitindo, assim, que não paguem encargos adicionais para quem trabalha nos domingos e feriados. Moral da história: quem recebia R$ 1.400 reais no final do mês passou a receber R$ 700. Já houve duas greves. A última terminou com a demissão de 40 pessoas.

Quer saber mais?
Saiba o que mudou com a reforma trabalhista

Família ameaçada

No início do mês, Mônica Benício, viúva de Marielle Franco, pediu proteção à Comissão Interamericana de Direitos Humanos: vinha sendo perseguida e ameaçada de morte. Nesta semana, Anielle Franco, irmã de Marielle, fez pedido semelhante ao secretário estadual de Segurança do Rio, general Richard Nunes. Motivo? Ela e o restante de sua família também vêm recebendo ameaças. Passados mais de cinco meses, o assassinato de Marielle e Anderson continua sem resposta. Ontem, o procurador-geral de Justiça do Rio, Eduardo Gussem, anunciou a troca de toda a equipe do MP que investiga o caso.

Quer pressionar as autoridades?
Assine essa petição pedindo justiça para Marielle

Quer fazer mais?
Você também pode ligar ou escrever para o MPRJ

MemeNews é financiado pela Open Society Foundations, por meio de um projeto que pretende unir humor e mudanças sociais. Funcionou entre março e agosto de 2018. Voltará em novembro.