07/11/2018

Pela defesa das vidraças dos bancos

AIIIIN AIIIIN!!!!

A Lei Antiterrorismo pode ficar ainda mais dura. O Senado vai realizar em até duas semanas uma audiência pública analisando as mudanças propostas no projeto, que trariam de volta o texto original – vetado pela ex-presidente Dilma Rousseff – que tentava qualificar como terrorismo incendiar, depredar, saquear, destruir ou explodir meios de transporte ou qualquer bem público ou privado (ou seja: quebrar vidraça de banco pode virar um crime grave). O senador Lasier Martins (PSD-RS) é, sem maiores choques, o autor do projeto de lei, que tem a relatoria do também senador Magno Malta (PR-ES). A convocação da audiência foi proposta pelo senador Lindbergh Farias (PT-RJ), que teme que as mudanças sirvam para criminalizar movimentos – intenção que o presidente eleito, Jair Bolsonaro, demonstrou durante a campanha.

Quer saber mais?

“Por uma lei antiterrorismo de Estado. Ou não sobrará ninguém”, artigo do Le Monde Diplomatique sobre os riscos da lei na criminalização de manifestantes

Quer dar seu recado às autoridades?

Entre em contato com o senador Magno Malta pelo facebook

https://www.facebook.com/magnomalta/

Ou mande um e-mail para o senador Lasier Martins

lasier.martins@senador.leg.br

Homem é homem, menino é menino, macaco é macaco…

Nesta quarta-feira, dia 7, às 14h, a comissão especial formada para discutir o PL 7180/14, conhecido como Escola sem Partido, volta a se reunir. O relator do projeto, o deputado Flavinho (PSC-SP) apresentou um novo texto. As principais mudanças são a inclusão de um trecho específico que proíbe o Poder Público (ou seja, o professor) de se intrometer “no processo de amadurecimento sexual dos alunos” e de opinar em qualquer questão ligada a gênero, além de ampliar essa restrição para os materiais didáticos. Ou seja: proibição para qualquer conversa sobre diferenças de gênero, e salvo conduto para bullying homofóbico em sala de aula. O projeto vai ser analisado pela comissão, e se aprovado vai ser encaminhado para o Senado.

Quer saber mais?

O Nexo fez uma matéria enumerando os vários projetos de Escola sem Partido que têm surgido no país

Quer falar com o excelentíssimo deputado?

https://www.facebook.com/Flavinhocn/

Para fazer a lei pegar

Lola Aronovich é professora universitária e blogueira que escreve sobre machismo, cultura do estupro e outros temas ligados ao feminismo. Desde 2011 ela sofre ataques misóginos e ameaças de violência e morte na internet, mas esbarrava nas restrições de jurisdição das polícias. Em abril deste ano foi sancionada a Lei 13.642, da deputada do PT do Ceará Luzianne Lins, que passa para a Polícia Federal a responsabilidade de investigar crimes contra a mulher cometidos pela internet. A Comissão Permanente Mista de Combate à Violência vai se reunir na quarta-feira, dia 7, às 14h30, para discutir a Lei Lola, e os caminhos para a sua aplicação.

Quer saber mais?

Lola Aronovich conta a histórias das ameaças e ataques que já recebeu.
http://escrevalolaescreva.blogspot.com/2017/12/lei-lola-foi-aprovada-hoje.html

Quer falar com a comissão?

cocm@senado.leg.br

Quer denunciar um ataque virtual misógino?

A Safernet recebe denúncias de crimes de ódio na internet

MemeNews é financiado pela Open Society Foundations, por meio de um projeto que pretende unir humor e mudanças sociais. Funcionou entre março e agosto de 2018. Voltará em novembro.