12/12/2018

Samba do Arnesto (Araújo)

Isso não se faz, Arnesto

O futuro chanceler do Brasil, Ernesto Araújo, anunciou ontem que o país vai sair do Pacto Global para Migração promovido pela ONU. O acordo foi aprovado em junho por 192 países (só os Estados Unidos votaram contra), e estava sendo ratificado ontem, quando Araújo tornou pública sua decisão. Apesar de não ter força de lei, o pacto apresentava um conjunto de orientações para o tratamento de imigrantes – que são 258 milhões de pessoas no contexto atual. Araújo alegou que a política de imigração deve estar a serviço dos interesses nacionais, ignorando que um em cada quatro imigrantes se muda para fugir de violência generalizada, guerra civil, fome ou outras formas de colapso social.

Quer saber mais?

O G1 explicou com detalhes o Pacto para Migração

Quer dar a sua opinião para o futuro chanceler?

Fale com ele no Twitter
https://twitter.com/ernestofaraujo

Repetiu de ano

O projeto do deputado Flavinho (PSC-SP) que cria o Escola sem Partido não foi votado ontem, na última tentativa da Comissão Especial de aprovar o relatório neste ano. Agora o PL será arquivado, e só volta à pauta mediante a criação de uma nova comissão, a partir de  1º de fevereiro, quando começa a nova legislação. E como será o amanhã? Depende. De um lado haverá um Congresso com perfil mais conservador, simpático à censura em sala de aula defendida pelo Escola Sem Partido. De outro, haverá a possibilidade de que o STF vote a constitucionalidade do projeto. Isso, claro, se o presidente da corte resolver pautar a questão.

Quer saber mais?

Entidades de defesa da educação elaboraram um Manual Contra a Censura nas Escolas

Quer se engajar?

Peça para o presidente do STF colocar o tema na pauta dos julgamentos

gabmtoffoli@stf.jus.br

Medalha póstuma

No dia em que a Declaração Universal dos Direitos Humanos completou 70 anos, a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro conferiu a Marielle Franco a Medalha Tiradentes, a mais alta homenagem da Alerj. O deputado Marcelo Freixo entregou a honraria ao pai da vereadora, Antonio Francisco da Silva, e a sua irmã, Anielle Franco. Passados 273 dias da morte de Marielle e de seu motorista, Anderson Gomes, o crime ainda não foi solucionado. Uma comissão externa da Câmara dos Deputados aprovou ontem um relatório que critica a investigação da Polícia Civil do Rio, e que propõe a federalização do caso.

Quer saber mais?

A Polícia Federal pediu acesso às investigações

MemeNews é financiado pela Open Society Foundations, por meio de um projeto que pretende unir humor e mudanças sociais.