14/11/2018

Tempo de eleição é tempo de desmatamento

Tristes trópicos

Entre agosto e outubro deste ano a floresta amazônica perdeu 1.674 km² de área verde, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, que monitora a região – um aumento de quase 50% em relação ao mesmo período do ano passado. Os meses de maior desmatamento coincidiram com o período eleitoral, quando todos os olhos estavam voltados para o futuro político do país. Em Rondônia, agentes do Ibama chegaram a ter três carros queimados durante uma operação de fiscalização. A preocupação de alguns especialistas é de que o desmatamento chegue a um ponto irreversível – o que pode ser o caso, dado que presidente eleito declarou não ter o meio ambiente entre suas prioridades.

Quer saber mais?

A colunista Eliane Brum escreveu sobre o tema no El País

Quer se engajar?

A Avaaz fez uma petição pedindo que Bolsonaro não entregue o ministério do Meio Ambiente para o agronegócio

Tristes trópicos – Parte II

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos é um órgão autônomo da Organização dos Estados Americanos que promove e protege direitos humanos no continente. Pois bem, Neste último mês, a CIDH esteve no Brasil, a convite do presidente da república, depois de 25 anos sem uma passagem dessa proporção ao país. A delegação visitou oito estados – Bahia, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, São Paulo, Rio de Janeiro e Roraima – e recebeu denúncias em dois escritórios temporários, no Rio e em Brasília. Na segunda-feira, 12, a CIDH publicou um relatório preliminar da visita; o tom foi de preocupação com os direitos fundamentais no país. O documento chamou atenção para a violência policial, o combate ao trabalho escravo, e para a situação dos presídios brasileiros. A CIDH também manifestou apreensão com a desigualdade e o racismo.

Quer saber mais?

Leia o relatório completo da CIDH

Oito meses sem Marielle e Anderson

Já são oito meses do assassinato da vereadora Marielle Franco e de seu motorista, Anderson Gomes, e até agora a investigação feita pela Polícia Civil do Rio de Janeiro segue sem grandes conclusões. A Polícia Federal chegou a abrir um inquérito paralelo para apurar se houve interferência de uma suposta organização criminosa no andamento da investigação. Nos últimos meses, Marielle foi homenageada em um show do músico Roger Waters no Brasil, virou nome de rua em Salvador e teve seu livro, UPP: a redução da favela em três letras — resultado da sua pesquisa de mestrado — lançado por uma editora. MemeNews continuará fazendo sua pequena parte, publicando, às quartas-feiras, notícias sobre a investigação e sobre o legado da vereadora.

Quer saber mais?

A Anistia Internacional montou um documento com todas as informações públicas sobre o caso

Quer pressionar as autoridades?
Assine essa petição, também da Anistia, pedindo justiça para Marielle e Anderson

Erramos (sim, já erramos)

Na emoção de pedir um gesto nobre para o nosso querido Michel Miguel, ontem escrevemos que “a única forma de vetar o aumento [dos ministros do STF – que pode resultar em ao menos mais R$ 4 bilhões em gastos públicos] é através de uma sanção do presidente”. O certo seria dizer que a única maneira de evitar o aumento é através de um veto do presidente. Erramos e pedimos desculpas (ao menos não confundimos a palavra sanção com o coelhinho Sansão). Ou será que não foi tudo uma estratégia para voltar a te lembrar de escrever para o presidente pedindo o #VetaTemer?

Quer mandar seu recado para o Michelzão da Massa?

https://www.facebook.com/MichelTemer/

https://twitter.com/MichelTemer

Ou escreva diretamente através do canal Fale com o Presidente

MemeNews é financiado pela Open Society Foundations, por meio de um projeto que pretende unir humor e mudanças sociais. Funcionou entre março e agosto de 2018. Voltará em novembro.