30/07/2018

$ de solidariedade

Teto de vidro

A Justiça é cega, mas a cegueira, fundamental ao ofício, não impede que um juiz se compadeça, por vezes, com os problemas do próximo. Por isso que a Associação Nacional dos Magistrados Estaduais entrou com uma ação, no Supremo, pedindo que o Congresso vote dois projetos de lei que reajustam o salário dos ministros do STF. E por que os juízes estaduais estariam preocupados com os R$ 33,7 mil mensais (ou 35 salários mínimos) que ganham os seus parceiros do Supremo? Porque a lei determina que nenhum servidor público ganhe mais que o valor estabelecido no teto constitucional – e esse valor é determinado, justamente, pelo salário do STF. A relatoria é do ministro Edson Fachin.

Quer saber mais?
Para além dos salários, auxílio-moradia já custou quase R$ 1 bilhão neste ano

Quer falar com o relator?
gabineteedsonfachin@stf.jus.br

Um bom conselho

Tramita na Câmara dos Deputados um projeto de lei para aumentar a participação de mulheres em Conselhos de Administração de empresas públicas. A proposta fixa uma cota de 30%, que deve ser preenchida de forma gradual. Uma pesquisa da ONG americana Catalyst, feita com empresas privadas, mostrou que companhias com maior representação feminina no conselho costumam ter performance financeira melhor. Outra pesquisa, do IBGC, mostrou que no Brasil, as mulheres ocupam apenas 8,78% das vagas em conselhos das empresas listadas na Bovespa. O PL é de autoria da senadora Maria do Carmo Alves (DEM-SE).

Quer saber mais?
Leia reportagem do Jota sobre diversidade de gênero nos conselhos de administração

Quer falar com a autora do projeto?
Escreva para a senadora Maria do Carmo Alves

Ditabranda?

A notícia saiu hoje na coluna da jornalista Mônica Bergamo, na Folha. O governo brasileiro tem mais um dia para apresentar sua defesa na Comissão Interamericana de Direitos Humanos sobre o caso de Eduardo Collen Leite, o Bacuri, morto pelos militares em 1970. Guerrilheiro da luta armada, Bacuri participou dos sequestros do cônsul do Japão, em São Paulo, e do embaixador alemão, no Rio de Janeiro – que terminou com a morte de um segurança. Preso, passou 109 dias sendo torturado pelo Exército e por uma equipe chefiada pelo delegado Sérgio Fleury. Os militares alegam que Bacuri foi morto em um tiroteio, após resistir à prisão. Mas a família diz que o corpo, ao ser reconhecido, não tinha olhos, orelhas e língua. A ação foi movida pelo Centro pela Justiça e o Direito Internacional, que atuou no caso de Vladimir Herzog.

Quer saber mais?
Veja a lista de mortos e desaparecidos do regime militar

MemeNews é financiado pela Open Society Foundations, através de um projeto que pretende unir humor e mudanças sociais. Será publicada entre março e agosto de 2018.