17/04/2018

Jean Wyllys no conselho de ética, esterilização pelo SUS e transgênicos

Decisão sensata

A menina chega a ter 240 crises epiléticas por mês. Mas sempre que seus pais importavam o remédio Canabidiol – cujo uso terapêutico é reconhecido pela Organização Mundial de Saúde -, a União ou a Anvisa impediam que o medicamento entrasse no país. Até esta semana. Em decisão inédita, o Superior Tribunal de Justiça determinou que o governo e a agência não interfiram mais na importação do Canabidiol pela família. Infelizmente, a decisão se aplica apenas a este caso.

Quer saber mais?
A BBC mostra que o uso de maconha medicinal cresceu no Brasil

Quer se engajar?
Assine um manifesto em apoio ao uso terapêutico da Cannabis

Fora do padrão

O Brasil tem cerca de 10 mil crianças na fila de adoção e mais de 40 mil pessoas cadastradas para adotá-las. Por que a conta não fecha? Porque 66% das pessoas dispostas a adotar não querem acolher crianças com irmãos, crianças com mais de 3 anos, ou crianças com problemas de saúde. Para tentar diminuir o problema, a Associação Nacional dos Magistrados lança, neste mês, um novo modelo de cadastro que dá destaque a crianças enquadradas nessas categorias. “Se 12% das famílias habilitadas mudarem o perfil da criança que querem adotar, a gente zera essa conta”, diz o juiz Sérgio de Souza, idealizador do projeto.

Quer saber mais?
Leia reportagem do CNJ sobre o projeto

Quer conhecer a iniciativa?
Assista a um vídeo sobre o projeto piloto de adoção implementado no Rio de Janeiro

Tem vontade de adotar?
O CNJ mostra o passo a passo

Homens primatas

Um dia ele foi chamado de “Nikito”, em referência a uma marca de biscoitos que tem um macaco como mascote. No outro encontrou um cacho de bananas sobre sua motocicleta. O rapaz, funcionário de uma distribuidora de bebidas na Bahia, avisou aos superiores, que não tomaram providência. O caso foi parar na Justiça. O juiz de primeiro grau julgou o pedido improcedente. Mas nesta semana, o funcionário ganhou uma indenização de R$ 10 mil, por assédio moral, em decisão de segunda instância. Ainda cabe recurso.

Presenciou um crime de racismo?
Saiba como denunciar

Caso aéreo

O caso: o juiz Marcelo Testa Baldochi não conseguiu embarcar num avião, no aeroporto de Imperatriz – cidade do interior do Maranhão -, por uma falha na leitura eletrônica de sua passagem. Quem nunca? Dirigiu-se ao balcão para reimprimir o cartão de embarque, onde acabou sendo informado de que o vôo acabara de ser encerrado. Quem nunca? Ato contínuo, o juiz deu voz de prisão aos funcionários do balcão – que foram levados ao distrito policial do aeroporto. Ontem o Conselho Nacional de Justiça penalizou o magistrado com censura por abuso de poder. Na prática Baldochi não poderá ser promovido por merecimento durante um ano.

Quer saber se juiz é Deus?
Lembre o caso do magistrado que processou (com sucesso) uma agente de trânsito que contestou sua divindade

Quer denunciar um abuso de autoridade ao CNJ?
Escreva para a ouvidoria

Dormindo com o inimigo

Tatiane Spitzner, 29 anos. Marília Camargo de Carvalho, 25 anos. Carla Grazielle Rodrigues Zandoná, 37 anos. Whailly Michele Mendes da Silva, 24 anos. Estas são algumas das mulheres assassinadas por seus companheiros nos últimos dias no Brasil. Segundo dados recém divulgados pelo Ministério dos Direitos Humanos, o Ligue 180 registrou 78 casos de feminicídio e 665 tentativas de assassinato de mulheres de janeiro a julho deste ano. A OMS diz que em 80% dos casos o agressor está dentro de casa.

Quer saber mais?
Entenda o que é feminicídio segundo o Código Penal

Quer denunciar um caso?
Basta discar 180 ou enviar um email para o serviço Ligue 180

Investigação pode passar para Polícia Federal

Ontem completou-se cinco meses da execução da vereadora Marielle Franco e de seu motorista, Anderson Gomes. No Rio, a data foi lembrada com a aprovação, na Câmara dos Vereadores, de mais cinco projetos apresentados por Marielle. Já em Brasília, o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, declarou que a investigação do assassinato poderá ser transferida para a Polícia Federal (para que isso ocorra é necessário um pedido formal do Ministério Público ou da Secretaria de Segurança do Rio). Desde o início das investigações, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, tem defendido que a PF assuma o caso. Talvez seja prudente. Na semana passada, o deputado estadual Marcelo Freixo (Psol-RJ) revelou que além dos milicianos, três deputados do MDB-RJ estão sendo investigados – entre eles o ex-presidente da Assembleia Legislativa e atual presidiário Jorge Picciani.

 

Quer pressionar as autoridades?
Assine essa petição pedindo justiça para Marielle

Telefone sem fio

Não há quem não tenha passado por isso. O telefone celular – ou o computador, a impressora, que seja – funciona bem durante os primeiros anos de uso. A partir de então, passa a aquecer, travar, perder velocidade. O nome técnico do fenômeno é obsolescência programada – uma estratégia da indústria que consiste em diminuir o ciclo de vida dos produtos de forma a estimular o consumo. Pois esta prática será debatida hoje, numa audiência pública conjunta de duas comissões da Câmara, a partir das 15h. O evento foi solicitado pelo deputado Vinícius Carvalho (PRB-SP), relator da proposta.

Quer saber mais?
Na França, a Apple está sendo investigada pela obsolescência programada do iPhone

Quer falar com o relator?
Escreva para o deputado Vinícius Carvalho (PRB-SP)

Mariana, (infelizmente) presente

quase cinco meses o país assistiu a mais uma tragédia ambiental provocada pelo vazamento de uma barragem – desta vez em Barcarena, município do Pará. A responsável? A Hydro Alunorte, mineradora norueguesa que atua na região desde 1995. Um laudo do Instituto Evandro Chagas mostrou que diversas áreas da cidade foram contaminadas com rejeitos de bauxita. Um segundo laudo, produzido pela Defensoria Pública do Pará, catalogou outros 26 acidentes ambientais na região desde 2000. O documento servirá de subsídio para a CPI que será instalada em setembro, na Câmara dos Deputados, para investigar os desastres ambientais na região.

Quer saber mais?
Entenda a cronologia do vazamento da barragem

Quer se manifestar?
A Change.org tem uma petição cobrando punição à empresa

E a segurança, ó….

Os números são tenebrosos. O primeiro: 71,5% das pessoas assassinadas no Brasil em 2016 eram pretas ou pardas. O segundo: neste mesmo ano o país bateu novo recorde de homicídios, com 62.517 mortes, ou seja, são 30,3 mortes para cada 100 mil pessoas, índice 30 vezes maior do que o da  Europa. Os dados são do Atlas da Violência 2018, estudo realizado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Serão apresentados hoje, às 14h, em audiência pública da Comissão de Direitos Humanos na Câmara.

Quer saber mais?
Confira o estudo completo

Crueldade a bordo

O Brasil é o maior exportador de carne bovina do mundo – e parte dessa exportação é feita com os animais vivos, confinados em contêineres, que são enviados, de navio, a países do Oriente Médio que têm restrições religiosas a certos tipos de abate. As viagens duram ao menos duas semanas – período em que os bois e vacas são submetidos a maus tratos e ficam suscetíveis a doenças – violando o Código Sanitário para Animais Terrestres da Organização Mundial de Saúde Animal, do qual o Brasil é signatário. Muitos dos animais chegam a morrer (e há, claro, o impacto ambiental de toneladas de fezes jogadas no mar). Em fevereiro deste ano, o Fórum Animal chegou a conseguir uma liminar proibindo a exportação de gado vivo. O governo recorreu da decisão.

Quer saber mais?
Leia reportagem do Fórum Animal sobre a exportação de gado vivo

Quer opinar?
Vote sobre o projeto de lei no site da Câmara

Quer protestar?
Assine a petição contra a exportação de animais vivos

Interessou?
Assista ao vídeo Exportando Vidas

MemeNews é financiado pela Open Society Foundations, através de um projeto que pretende unir humor e mudanças sociais. Será publicada entre março e agosto de 2018.