20/07/2018

Especial de sexta: violência urbana

Casos isolados?

Capitão da PM atira em vizinho após discussão na Paraíba. Assessora parlamentar é morta dentro da Câmara Municipal em Minas. Juiz é filmado ao atirar contra vizinho no Rio. Estes foram alguns dos “casos isolados” em que o uso de armas de fogo resultaram em vítimas. Mas foram realmente isolados? Dados do Mapa da Violência mostram 71,6% dos homicídios do país ocorrem por disparos de armas de fogo. E este índice pode aumentar caso a bancada da bala consiga aprovar um projeto de lei, de autoria do deputado Rogério Mendonça (MDB-SC), que libera o porte de armas para todas as pessoas. O PL está pronto para votação em plenário.

Quer saber mais?
Leia reportagem do EL País Brasil sobre o tema

Quer pressionar os deputados?
Assine a petição da campanha Descontrole

UZZ18

O que há em comum entre uma chacina ocorrida em Osasco, em agosto de 2015, um assalto a uma agência dos correios na Paraíba, em julho de 2017, e a execução da vereadora Marielle Franco e de seu motorista no último dia 14 de março? O lote de balas UZZ18, vendido à Polícia Federal pela Companhia Brasileira de Cartuchos. Toda munição vendida ao poder público possui uma marcação que auxilia na identificação do comprador. O problema é que os lotes são muitas vezes extraviados – e a fiscalização, feita pelo Exército, é um tanto falha, o que acaba prejudicando na identificação dos responsáveis.

Quer saber mais?
Leia a pesquisa do Instituto Sou da Paz sobre apreensão de munições no Rio de Janeiro

Produto 76% nacional

Quando se fala em apreensão de armas ilegais, as fronteiras costumam ser apontadas como origem do problema. Senso comum. Um levantamento do Instituto Sou da Paz, divulgado em junho, mostrou que 76% das armas retiradas do crime pelas forças de segurança, no Nordeste – região com a maior taxa de homicídios dolosos – eram de origem nacional (os dados são de 2015, data da última estatística divulgada pelo Ministério da Saúde). As armas haviam sido comercializadas no mercado legal – para polícias, Exército, Marinha, Aeronáutica e agentes de segurança privada -, antes de acabar nas mãos de criminosos. Ou seja: o combate ao crime e à violência depende, em muito, de olhar para dentro de casa – e não para o que vem de fora.

Quer saber mais?
Veja o infográfico com os dados do estudo

Ou veja outro estudo semelhante, sobre os dados do Sudeste

MemeNews é financiado pela Open Society Foundations, através de um projeto que pretende unir humor e mudanças sociais. Será publicada entre março e agosto de 2018.